Noticias

Vice-presidente e fiscais do CRMV-RO participam do II Seminário Nacional de Fiscalização do Sistema CFMV/CRMVs, em Brasília (DF)

Responsive image

O vice-presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Rondônia (CRMV-RO), Licério Magalhães, juntamente com as fiscais Adriane Ribeiro e Gislaine Ferreira de Assis, participaram nesta semana, em Brasília (DF), do II Seminário Nacional de Fiscalização do Sistema CFMV/CRMVs. O evento, organizado pela Comissão Nacional de Fiscalização do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CNAF/CFMV), reuniu 80 participantes, representantes dos 26 conselhos regionais de medicina veterinária na capital federal, em busca de uma padronização desta, que é a atividade-fim dos conselhos: fiscalizar.

Licério Magalhães ressaltou que o trabalho realizado pelos profissionais de fiscalização é essencial.  “O aprimoramento desse setor é de suma importância para todos os médicos veterinários e zootecnistas do país. A fiscalização é fator determinante no mercado de trabalho dos nossos profissionais. Com certeza vamos aplicar experiências adquiridas no seminário na regional”, comentou.

Durante o evento, o presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida, lembrou sua trajetória como auditor fiscal agropecuário do Ministério da Agricutura. “Também fui fiscal e sei como é difícil quando você encontra um estabelecimento irregular. Não queremos prejudicar ninguém. Nossa função é educar quem presta um serviço. Não visamos arrecadar. Nós servimos à sociedade”, afirmou.

Para Francisco, o encontro ocorreu em boa hora, principalmente em função da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 108/2019, em tramitação na Câmara dos Deputados. O texto da PEC prevê, entre outras medidas, a transformação dos conselhos em entidades privadas e o fim da obrigatoriedade de registro profissional. “O nosso foco é a fiscalização. Tudo o que se faz no Sistema CFMV/CRMVs é fiscalização. Uma reunião de comissão de educação, por exemplo, é fiscalização. A maneira de desenvolver essa conduta é de cada estado, mas ela deve ser uniformizada”, completou.